O Mundo inteiro, aos olhos de todos

O QUE É UMA EXPO?

EXPO é o diminuitivo que se usa para fazer referência à palavra Exposição, sendo neste caso associado ao termo de Exposição Universal e Internacional. A primeira Expo ocorreu em 1851 em Londres, a grande capital do poder industrial da época.

São eventos de escala global que visam educar o público, partilhar inovação, promover o progresso e a cooperação entre países. São organizados por um país anfitrião que convida outros países, empresas, organizações internacionais, o setor privado, a sociedade civil e o público em geral a participar. Devido à diversidade dos seus participantes, desde os principais líderes e centros de decisão até às famílias e crianças, as Expos são eventos multifacetados que oferecem em simultâneo exposições extraordinárias, encontros diplomáticos, reuniões de negócios, debates públicos e espectáculos ao vivo.

Para melhor compreendermos a importância das Expos, vejamos o impacto destas nos seus públicos alvo:

São uma plataforma de diálogo para o progresso e a cooperação, na medida em que reunem o mundo inteiro na procura de soluções para um desafio fundamental da humanidade. Esse desafio é o tema da Expo. Em Milão 2015 o tema foi “Alimentar o planeta, energia para a vida” e agora Astana 2017 trata da “Energia do Futuro”.
Na prática, como são abordados os temas? Todos os participantes recebem um espaço de exposição ou a oportunidade de construir um pavilhão. Nesses espaços mostram a sua experiência, inovações e ideias sobre o tema. Além disso, organizam-se conferências, workshops, debates, reuniões diplomáticas e profissionais. Isso permite aos participantes trocar ideias, criar soluções e desenvolver novos laços de cooperação.
Graças a esse estímulo intelectual, as Expos definem diretrizes para o futuro. Por exemplo, a Expo 2010 Shanghai, dedicada a melhorar a qualidade de vida nas cidades, emitiu o “Manual de Xangai – Um guia para o desenvolvimento urbano sustentável no século XXI”. Em 2012, a Expo Yeosu cedeu a “Declaração de Yeosu para um oceano e costas vivas” para encorajar a Comunidade Internacional a agir.

As Expos são experiências educativas que combinam conhecimentos e entertenimento. Com a sua arquitectura inovadora, o próprio local onde a Expo ocorre é uma atracção que além do mais ainda é palco de exposições interactivas, apresentação de tecnologias inovadoras e iniciativas culturais que garantem uma experiência verdadeiramente inesquecível.
Num dia típico na Expo podemos navegar pelo Oceano Ártico graças às tecnologias digitais (pavilhão russo, Expo Yeosu 2012), ver um robô tocar flauta (Expo Aichi 2005), participar num debate sobre eficiência energética nas cidades (Expo Astana 2017). Tudo isto enquanto ouvimos um concerto de Santana (Hanover 2000) ou assistimos a uma performance do Cirque du Soleil (Zaragoza 2008) à noite.
O sucesso destes eventos pode ser expresso no número de visitantes. 19 milhões de pessoas visitaram Hanôver 2000, 22 milhões foram a Aichi 2005 e a Expo Shanghai 2010 quebrou o recorde com 73 milhões de ingressos vendidos.

A Expo é uma ferramenta para o branding e o desenvolvimento da nação. Uma vez que uma Expo é um dos poucos eventos capaz de atrair líderes mundiais e tomadores de decisão, bem como milhões de visitantes, é uma oportunidade única para um país fortalecer a sua imagem internacional e se posicionar na arena internacional. Em 2000, a Hanover Expo permitiu que a Alemanha apresentasse ao mundo o novo rosto do país unificado. Com a Expo Astana 2017 dedicada ao tema “Energia do Futuro”, a República do Cazaquistão que soma 25 anos, pretende aumentar o seu apelo internacional e afirmar o seu papel fundamental no desenvolvimento de energias sustentáveis.
Uma Expo também é uma maneira extraordinária de promover o desenvolvimento. O evento promove a melhoria das infra-estruturas, redes de transporte e capacidade de habitação. Gera emprego e melhora o ambiente global de negócios e investimentos do país.
Este desenvolvimento local e nacional também é impulsionado por uma reutilização precisa do local onde se realiza a Expo. Após o evento, o mesmo pode ser transformado de modo a atender às necessidades económicas, sociais e culturais da área. Em Lisboa, por exemplo, a Expo 1998 permitiu que uma área abandonada se transformasse num importante centro económico da cidade. Xangai está a transformar a área da Expo 2010 num importante setor cultural e de entretenimento.

A Expo cria oportunidades de divulgação internacional. Os anfitriões da Expo convidam países, organizações internacionais, a sociedade civil e as empresas a participarem no evento e a fazerem parte da exposição através dos seus próprios pavilhões e espaços dedicados. Esta oportunidade possibilita aos participantes mostrar as suas conquistas, cultura e produtos a um público internacional. Ao participarem fortalecem os seus laços de cooperação com o país anfitrião e os restantes participantes, tendo a oportunidade de promover o seu país e os seus factores distintivos. As empresas podem expandir os seus mercados participando na organização do evento, reunindo-se com outras empresas e investidores e envolvendo-se com um novo público. É também uma oportunidade para as Organizações Internacionais e a sociedade civil promoverem a consciencialização sobre as causas que defendem.

Bureau Internacional de Exposições

Em 1931, em França, funda-se o Bureau Internacional de Exposições (BIE) – uma organização internacional intergovernamental encarregue de supervisionar e regular todas as exposições internacionais que duram mais de três semanas e são de natureza não comercial (“Expos”). O BIE promove quatro tipos de eventos: Exposições mundiais, Exposições especializadas, Exposições hortícolas e Triennale di Milano.

A organização tem como missão garantir a qualidade e o sucesso destes eventos mundiais, proteger os direitos dos seus organizadores e participantes e preservar os valores fundamentais de Educação, Inovação e Cooperação. Estas tarefas são desempenhadas da seguinte forma:
• Escolhendo os países anfitriões das exposições futuras
• Entregando aos países candidatos e anfitriões a experiência de gestão e promoção de eventos, branding nacional e diplomacia pública
• Regulamentando a organização do evento de forma a garantir que o país anfitrião e todos os participantes respeitem a Convenção do BIE e as regras da Expo.
Foram organizadas mais de 50 Expos e o seu sucesso atrai novos Estados Membros a cada ano. Dos 31 países que criaram o BIE, a Organização cresceu para cerca de 170 Estados-Membros, como resultado do sucesso e do apelo das Expos. Angola passou a ser Estado Membro do BIE em 2011. Os Estados membros participam nas decisões do BIE e esforçam-se para melhorar continuamente a qualidade das exposições.

BIE: Número de Estados Membros